Menu
CARTA AO ANJO DA MENTE
09/03/2016 - 19h51 em Espiritualidade

 

     Meu caro amigo, bem sei o quanto me prezas, o quanto te preocupas comigo e até entendo que esta é a tua missão. Anjo da Mente, perdoa-me falar desta maneira, mas vou ser bem claro, mais até do que já fiz em outras oportunidades – porque, parece, não me fiz bem entender. Digo-te que não me passou despercebido o fato de que em muitas ocasiões, me olhando frente a frente, olho no olho, sorrias indiferente ou ironicamente de meus apelos e ponderações.

     No fundo, eu sempre soube. Afinal, de que adianta falar com surdos, se eles não ouvem? Entretanto, para teu desconsolo, jamais perdi a esperança e sei que um dia vamos nos entender. E serão dias de paz, de harmonia, de mútuo respeito. Dias gloriosos, de fé na vida, de realização de sonhos impossíveis. Mas, por ora, ouve com bastante atenção o que vou dizer e, tanto quanto possível, gostaria de não ser interrompido.

     Deixa de ser chato! Deixa de azucrinar minha vida! Ser um anjo aborrecente que não consegue se livrar de preocupações, ansiedades, angústias, inseguranças, desconfianças, maquinações, amarguras, raiva e medo, incomoda não só a mim como também a outras almas.

     Preciso viver com mais descontração, liberdade, alegria e fraternidade. Em outras palavras, mais divinamente. Sonho com um mundo melhor, mas se falhei em outras tentativas desta vez é um anseio verdadeiro. Quero ser o primeiro ser deste novo mundo. Utopia ou sonho, realidade ou ficção, não me importa se me fustigas com tua lógica impertinente. Eu te digo, não quero nem mesmo dar exemplo a ninguém. Gosto de pensar que sou único no mundo. Quero ser melhor, mais livre, mais perto dos sonhos de todos os mestres. Cansei de ser o que não sou. Cansei de não ser o que sou.

     Não te acuso de nada, pois, se ouvir tuas ponderações novamente, jogarás a culpa sobre outras pessoas e acharás mil desculpas. Não! A culpa de eventual fracasso foi, é e sempre será apenas minha. Eu sou o senhor do meu destino. Muitas vezes, ouvi o que não queria, mas também disse o que não devia. Azar meu – perdi muito tempo com medos que nunca se concretizaram.

     Dá um tempo, amigo. Não precisas me contar sobre olhares indiferentes, não precisas destacar em negrito palavras mal ditas, nem me acordes de madrugada relembrando gestos inconseqüentes. Não quero ouvir sobre mentiras, falcatruas, deslizes, corrupções, pequenas ou grandes traições, incredulidades ou enganos conscientes. Que cada um viva como quer. Não quero nem mesmo saber sobre lucros, prejuízos, saúde, doença, sofrimento, dores ou velhice. Preciso aquietar meu coração, serenar minhas emoções, domar minhas fraquezas. Ajuda-me que eu te ajudarei.

     Hoje, pelo menos hoje, quero me dar o direito de não ouvir a filosofia barata dos profetas de plantão de todas as novelas, da opinião sempre definitiva de comentaristas discorrendo sobre tudo, das previsões sobre o tempo, futebol, economia, astrologia, de promessas de campanha. Quero me livrar das mortes, sangue, tragédias e corrupções de todos os enlatados. Meus ouvidos estão cansados da tirania jovem e de sua música apocalíptica. Quero descansar. Preciso filosofar menos e viver mais.

     Não quero saber de política, de religião, de economia, de esporte, de guerras, de fofocas sobre a vida de celebridades. Não me diga que para entrar no mundo preciso de participar de redes sociais. Também não quero saber de novas tecnologias e de avanços da ciência – ainda nem vivi as antigas. Talvez não tenha aprendido as lições básicas, ainda nem sei quem sou. Digo-te que nada espero, pois nada tenho a conquistar – eu sou eterno.

     Deixa-me absorver lentamente o sopro vital abençoando a minha existência e a luz do sol acenando lá do céu. Deixa-me sentir as areias macias do mar, sentir o cheiro da água salgada entrando em meus pulmões e a energia do vento beijando meu rosto. Quero ver tudo e sentir a força da vida. Quero ver não apenas pessoas se movimentando sem saber o por que e o para que, mas pontos luminosos iluminando o mundo inteiro. Quero sonhar todos os sonhos. Quero sentir-me vivo, integrado, uno, dando e recebendo, amando e sendo amado, compartilhando o sagrado da vida com todas as pessoas. Mostrar-te-ei um novo mundo, um novo sonho, um novo ser, uma nova maneira de viver a vida.      

    Meu caro Anjo da Mente, estamos entendidos, justos e acordados? Pois bem, desejo-te paz em tua existência, mas não retiro uma só palavra do que disse: és bem chato, azedo e um velho ranzinza! Quem mais te agüenta, a não ser eu, teu mestre, senhor e amigo?!

Em busca da Luz Sempre Eterna, viva Deus todos os dias!

(Sanata)

ESPIRITUALIDADE X MATERIALIDADE

 

Espiritualidade e materialidade têm sido exaustivamente têm sido objeto de acalorados debates em todas as sociedades e grupos de estudo ao longo de todas as épocas.  Dada a importância do tema, convidamos você a se inteirar dos conceitos expressados na coluna Endoísmo, cujo artigo procura desmistificar alguns paradigmas até mesmo de expressivos pensadores da ciência espiritual.

 

COMENTÁRIOS